skip to Main Content

Agora ficou mais fácil ser doador de órgãos no Brasil. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e cartórios lançam, nesta terça-feira (2), a campanha “Um Só Coração: seja vida na vida de alguém.” A iniciativa também marca a regulamentação do sistema de Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos (AEDO).

Quem desejar doar órgãos pode manifestar e formalizar a própria vontade por meio de um documento oficial, feito digitalmente em qualquer um dos 8.344 cartórios de notas do Brasil. Segundo dados do CNJ, no Brasil, em 2023, a cada mil pessoas que faleceram, 14,5% poderiam ser potenciais doadores, mas apenas 2,6% efetivaram a doação.

O presidente do CNJ, ministro Luís Roberto Barroso, reforçou a importância da doação e a segurança do sistema. “É um instrumento validado juridicamente e agiliza o processo de doação, além de facilitar a consulta de médicos e familiares sobre o desejo do paciente. É preciso conscientizar a população de que o processo está cada vez mais seguro e o efetivo engajamento de todos poderá salvar muitas vidas.”

Como funciona

Para realizar a Autorização Eletrônica de Doação de Órgãos, o interessado preenche um formulário diretamente no site, recepcionado pelo cartório de notas selecionado. Em seguida, o tabelião agenda uma videoconferência para identificar o interessado e coletar a sua manifestação de vontade. Por fim, o solicitante e o notário assinam digitalmente a AEDO, que fica disponível para consulta pelos responsáveis do Sistema Nacional de Transplantes. A plataforma está acessível 24 horas por dia, sete dias por semana, de qualquer dispositivo com acesso à internet.

Fonte: Rádio Costa Azul

Back To Top