skip to Main Content
“Participar Do PQTA Renovou Nossos ânimos Nesse Ano Pandêmico. Estamos Fortalecidos Para Continuar Melhorando Nossos Serviços Em 2022”

1º Ofício de Caxias foi um dos 147 cartórios premiados na 17ª Edição do Prêmio Qualidade Total Anoreg

Em cerimônia híbrida nacional, transmitida pelo canal do YouTube da Anoreg-Brasil, a 17ª Edição do Prêmio Qualidade Total Anoreg contou com 162 cartórios participantes, tendo 147 serventias premiadas no Brasil todo. Pelo Rio de Janeiro, a participação ficou a cargo de um estreante de peso, que chegou já garantindo a premiação na categoria ouro. Foi com otimismo e vontade de seguir em frente cada vez mais e melhor que o 1º Ofício de Notas e Registro de Imóveis de Duque de Caxias encerrou a noite do dia 25 de novembro, quando ocorreu a premiação do PQTA 2021.

Em entrevista ao Colégio Notarial do Brasil – Seção Rio de Janeiro, Maria Barbara Toledo Andrade e Silva, Oficial titular do 1º Ofício de Notas e Registro de Imóveis de Duque de Caxias, uma das cidades mais populosas da Baixada Fluminense, no estado do Rio, externou toda a emoção em ter seu cartório premiado na categoria ouro, pela 17ª Edição do Prêmio Qualidade Total Anoreg.

Leia a entrevista na íntegra:

CNB/RJ – Qual a emoção de poder participar do PQTA, ainda mais ganhando ouro logo na estreia?

Maria Barbara Toledo Andrade e Silva – A participação da gente no PQTA já foi um grande desafio e que se tornou maior ainda quando recebemos a notícia de que a Correição Ordinária realizada pelo Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro tinha sido antecipada de dezembro para agosto, justamente quando ocorreria a auditoria do PQTA. Os meses que antecederam que estávamos nos preparando para o PQTA, tivemos que nos dividir para adequar nosso material para a Correição ordinária. Então, foi assim, um duplo desafio. Tivemos funcionários afastados nesse tempo, mas nada grave, pois já haviam tomado a primeira dose da vacina.

A emoção do momento foi fantástica, apesar de ter demorado um pouco, já que a auditoria foi em agosto e só agora em novembro pudemos saber do resultado. Mas naquela data, lá em agosto, nós já estávamos muito felizes, com a sensação de dever e missão cumprida por termos participado. Foi como se tivéssemos vencido uma grande barreira, um grande obstáculo. O ouro foi uma emoção muito grande, pois ele veio coroar todo esse momento de dificuldade, de não desistir nunca, de seguir seu sonho, seu objetivo.

CNB/RJ – Como oficial titular de um cartório de Notas e Registro de Imóveis, quais os quesitos avalia serem mais importantes no que diz respeito a manutenção da qualidade dos serviços no seu cartório?

Maria Barbara Toledo Andrade e Silva – Em primeiro lugar, o acolhimento do usuário. Mais que acolhimento, um atendimento simpático, pois nós de cartórios, serviços extrajudiciais, somos vistos como mais um etapa burocrática na vida de uma pessoa que precisa regularizar uma situação. As pessoas, na sua grande maioria, desconhecem esse conteúdo e isso gera um receio e desconforto por parte do usuário. Digo que mais que isso, gera presteza ao passar uma informação com esperança, já que as informações geralmente são passadas de forma seca, muito objetiva e com frieza, deixando a pessoa sem saber qual o caminho deve tomar.

Quando se faz um atendimento acolhedor, simpático e explica para a pessoa o caminho das pedras com qualidade é outra coisa. E é nesse momento que você se torna o promotor de segurança jurídica e da esperança, pois você estará encorajando a pessoa a resolver aquele problema, aquela situação. Além da seriedade e presteza do serviço e poder explorar os recursos tecnológicos ao nosso dispor, o mais importante é esse acolhimento. Precisamos estar ao lado e não parecer opositores daquele cliente, precisamos estar ao lado dele e oferecer suporte e orientação certeira a eles.    

CNB/RJ – Há quanto tempo existe o seu cartório e há quanto tempo você atua como oficial titular?

Maria Barbara Toledo Andrade e Silva – São mais de 80 anos de existência e eu, à frente do 1º Ofício de Duque de Caxias, há mais de 50 anos e no mesmo lugar. Então é uma serventia muito referenciada pela comunidade, justamente pelo tempo em que ela se encontra na região de Duque de Caxias.            

CNB/RJ – De que forma avalia a existência do Programa de Qualidade Total Anoreg?

Maria Barbara Toledo Andrade e Silva – Acho fantástico ter a Anoreg-Brasil estendendo a mão a nós, associados, através de suas Anoregs estaduais, para nos ajudar a alcançar essa qualidade e nos dar suporte para fazermos cada vez mais e melhor. Posso dizer que encontramos acolhimento e orientação dentro da nossa própria casa. Nós começamos dentro da casa dos notários e registradores.

É justamente esse acolhimento ao qual eu me refiro, que vemos entre os nossos pares, na direção da nossa associação, o apoio para se fazer melhor e uma orientação que não vem como forma de fiscalização, mas sim de um apoio, um passo a passo para prestar o melhor serviço com qualidade. Foi a primeira vez que participamos do PQTA, e foi a forma que encontramos de dar um novo ânimo depois desse período pandêmico, que deixou muitas sequelas, mas que nos renovou para procuramos dar a volta por cima.

Poder participar com a Anoreg gerou a união dos colaboradores, que entenderam sua importância e que poderíamos vencer tanto na Correição Ordinária como no PQTA. Posso dizer com muito orgulho que, com a união de todos, tivemos esse saldo maravilhoso e saímos como uma equipe fortalecida e muito animados para o ano de 2022, para continuarmos nessa linha de fazer mais e cada vez melhor.

CNB/RJ – A pandemia trouxe inúmeros desafios para o meio extrajudicial. Ao passo que havia um lockdown instaurado no estado do Rio, os cartórios precisaram apresentar agilidade e comprometimento para atender a população. O seu cartório fez alguma adaptação para atender melhor os usuários durante o período de pandemia?

Maria Barbara Toledo Andrade e Silva – Meu cartório tem atribuições que não são de RCPN mas são daquelas que não puderam parar durante a pandemia, e um efeito fantástico foi a declaração expressa do CNJ, que era intuitiva, mas necessária, de que nós, serviços extrajudiciais, somos essenciais para a população.

Isso foi muito importante, pois ainda no início tivemos que trabalhar de portas fechadas e com aviso, com agendamento e privilegiando atendimentos on-line, mas com certeza atendendo as necessidades prementes até a saída dessa declaração. Foi uma demonstração de união entre a equipe e boa vontade, vontade de superação.

O que destaco que sentimos foi a dificuldade do próprio usuário em lidar com os meios eletrônicos, mas mesmo assim houve um acréscimo do serviço eletrônico que vem se tornando um hábito e avançando cada vez mais. Nada ficou em stand by, já que nós arrumamos um meio de solucionar a demanda do cliente. Foi um período muito desafiador e de muito aprendizado. Por isso, nós não devemos ver as dificuldades como problemas que vêm para nos derrotar, mas sim como oportunidades para crescermos e nos reinventarmos, e sairmos fortalecidos de momentos como esse. E o PQTA veio para coroar, com ouro, todo o espírito da nossa equipe durante esse ano difícil. 

Fonte: Assessoria de Comunicação/ CNB/RJ

pt_BRPortuguês do Brasil
Back To Top